#navbar-iframe { height:0px; visibility:hidden; display:none; }

domingo, 10 de abril de 2011

VIVEMOS NUMA HOLONARQUIA

Sistema Solar
Átomo

Há poucos dias, numa conversa de amigos com amigos, um amigo “arremessou” esta frase, que atribuiu a Nikolai Berdiáyev, para defender a sua opinião acerca do que teorizavamos na área das linguagens simbólicas, energéticas e da metafísica:

"A pessoa é integral, não pode ser parte de um todo cósmico ou social…"

Conheço alguma coisa de Berdiáyev, pelo menos o suficiente para perceber que esta frase talvez esteja desfazada de um contexto, sem o qual será, porventura, desvirtuado o seu sentido.
No entanto, despoletou em mim a memória de uma aula do 5º ano de astrologia psicológica no Quíron, com o prof. Nuno Michaels, em que o conceito de “hólon” ou holonarquia foi abordado.

Um holón é algo que é simultaneamente em si próprio inteiro e parte de um todo... como um átomo que é em si próprio inteiro mas parte de uma molécula. A molécula é em si completa e parte de uma célula. Ou uma célula que é inteira, mas parte de um tecido. Um tecido também é um holon, em si completo e parte de um órgão. Um órgão é, em si completo e parte de um organismo… até ao infinito.

Neste sentido, também o homem é parte de uma família, que é parte de uma tribo ou sociedade que é parte de um país ou nação, inserido num planeta que é parte de um Sistema Solar numa Galáxia, etc.

O que me permite contrapor à frase do meu amigo: a pessoa é integral “e” parte de um todo. Se é primeiro Cósmico e depois social ou vice-versa, depende da perspectiva individual e do contexto em que seja considerado.

O Universo compreende sistemas dentro de sistemas, dentro de sistemas.. do Macro ao Micro ou do Micro ao Macro, todos os sistemas se correlacionam não se passando nada num sem que o outro seja, de algum modo, afectado!!

Cada sistema é "aberto", em expansão/evolução… tal como as consciências..

Esta é a Ordem Universal que me faz sentido. E para isso estudo metafísica, porque me ensina a dar sentido à existência, sem o qual me sintiria à deriva, alienada dos Valores... dos Valores Absolutos, autênticos porque eternos e imutáveis… os verdadeiros paradigmas que têm origem nos arquétipos e têm nos mitos a sua correspondência antropomórfica!

São as Leis que regem o Universo e às quais não temos como fugir mas antes conhecer e integrar na vida de todos os dias. A cada momento.

A reconciliação com estas Leis traz-nos a verdadeira felicidade para que a Vida Plena possa ser uma realidade… e, a Vida Plena, é a vida do espírito em nós… a parte divina que nos coube a todos e a cada um e não só no homem, como em todos os reinos e sub-reinos físicos, infra físicos e supra físicos. Em todas as realidades…

As Leis não são dogmas. Os dogmas foram criados pelos “senhores" das religiões para manterem os homens na ignorância que é o condimento básico para os terem sob controlo, enquanto forem incapazes de pensar pelas suas cabeças e agir pelas suas próprias pernas. De se individualizarem. Os dogmas mudam com as conveniências...

O homem fez a sua escolha; elegeu a personalidade separada em detrimento da alma e/ou do espírito… quando também é alma e é espírito… ponto de união entre todas as coisas… daí resultam as misérias que se vêm provenientes dos falsos valores, quando não da sua completa ausência! Esqueceu-se da sua inevitável inserção em algo maior do que si próprio. É o culto do "me", do "mim" e do "meu"!

Não me interpretem mal, eu não detenho a verdade da vida! Não possuo certezas absolutas! não sou fanática de coisa nenhuma... senão, talvez, do Amor!

O Amor é o meu paradigma pessoal: Amor/energia; Amor/magnetismo; Amor/fé; Amor/Vénus/Afrodite; Amor/partilha; Amor/Cristo, Amor/força que une partículas, que cria vida… que "move montanhas" -- Amor/Consciência, Amor/respeito por todos os seres viventes, deste e doutros mundos, físicos e etéreos... amor... em última análise, como ÚNICA REALIDADE!!!

Esta é a minha Verdade Hoje e está em perpétua mutação que é o próprio mistério da vida!

Ou seja, amanhã não sei em que acreditarei. Nem é importante para mim enquanto professar o "momento presente". O ETERNO momento presente… porque ainda que me reveja nas memórias do passado, faço-o no instante presente. E, quando sonho a projectar o futuro, é no momento presente que eu o faço!

Cada instante é O instante, onde tenho a liberdade de ser e de escolher tendo em conta tudo o que me rodeia...

Filomena Nunes
*

http://en.wikipedia.org/wiki/Holon_(philosophy)

10 comentários:

Hanah disse...

Lindo texto...

Hoje assisti ao Filme "Nosso Lar" e sinto que é um pouco do que está dizendo aqui. Um eterno ir e vir para o nosso despertar... cada qual ao seu tempo e ao seu momento....tudo intrincado nessa grande teia que é o universo...


Beijos e Bom Inicio de Semana

Filomena Nunes disse...

Viva Hanah,

Não conheço o filme mas despertou a minha curiosidade.
Quanto mais discorro sobre estas matérias, mais me apercebo quão difícil é descrever o que me assalta a cabeça... além de que, logo a seguir, já não me faz o mesmo sentido que fez no momento em que "saiu".. é muito estranho...

Obrigada pela visita. Um beijinho e o desejo de uma alegre semana.
Filomena

Astrid Annabelle disse...

Bom dia Filomena!
Seu texto está excelente! E é assim mesmo que anda funiconando...as mudanças estão em velocidade sônica..por isso que ao terminar de escrever poderá já ter mudado de idéia...a impermanência é o tom atual!
Um beijo grande para uma linda semana!
Astrid Annabelle

Filomena Nunes disse...

Astri, minha amiga!!
Que bom recebe-la. :))´

É um facto que as mudanças no mundo estão muito aceleradas e, com elas, as minhas opiniões..
Esta é uma das razões porque não publico mais do que escrevo.. muitas vezes perde sentido logo após estar escrito!!

Temos de nos adaptar.. ter essa difícil capacidade de estarmos sempre abertos ao novo, ao que está chegando..

Um grande abraço e uma alegre semana para si também <3
Filomena

pontedepartida disse...

De acordo com a interpretação que Ken Wilber faz da teoria da Dinâmica da Espiral, o pensamento da nossa geração tem sido dominado pela recusa das hierarquias e pela confusão relativista entre os valores de qualquer origem. Mas surge também o pensamento de segunda camada, o primeiro que propõe uma holonarquia de valores. Um sistema de valores mais evoluído integra e não exclui o anterior.

Filomena Nunes disse...

Ponte de Partida,

Que prazer me dá a tua visita!

Precisamente. O sistema holonárquico não exclui o sistema espiralado, precisamente porque cada sistema é aberto, não circular.

Um abraço,

Filomena

William Garibaldi disse...

Filomena! Eu vou relaer, pois amei!
E quero postar no meu Blog !
" A reconciliação com estas Leis traz-nos a verdadeira felicidade, para que a Vida Plena, possa ser uma realidade… e, a vida plena, é a vida do espírito em nós… a parte divina que nos coube a todos e a cada um e não só no homem, como em todos os reinos e sub-reinos físicos, infra físicos e supra físicos. Em todas as realidades… "
Não preciso dizer mais nada!
Arrasou!
Novo Mito PURO!
Que isso! Como eu não vou gostar daqui! Filosófico e Novo Mito? É comigo mesmo! Divulgarei!

Filomena Nunes disse...

William,

Estou muito feliz por ter ressoado contigo!!
Ha que ajudar a divulgar os novos paradiggmas nestes momentos de transição!!

Um grande abraço e muito obrigada pela visita e pela generosidade do comentário. :))

Filomena

António Rosa disse...

Filomena,

Excelente. Excelente. Excelente.

Filomena Nunes disse...

António Rosa,

Meu amigo do coração, a sua opinião é muito importante para mim.. muito obrigada pelo seu comentário!!
Um abraço,
Filomena